Home Quem somos Eventos Cadastre-se Promoções Anuncie Fale conosco  
 
Pesquisa
Matérias
Serviços
Parceiros










Administro Informa
 
Economia


03/02/2011

Silvio só vendeu banco após ligação do BC

Leandro Modé e Patrícia Cançado, de O Estado de S. Paulo

 


SÃO PAULO - Silvio Santos só aceitou vender o controle do Panamericano para o BTG Pactual após receber um telefonema do presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, no início da tarde de segunda-feira, dia em que o negócio foi anunciado. Até então, o empresário relutava em aceitar as condições da operação. O contrato foi assinado por volta das 20h30.

Segundo fontes que acompanharam as negociações, desde a confirmação do novo rombo de R$ 1,5 bilhão, cerca de 10 dias atrás, Silvio mostrou-se irritado. Em diversas ocasiões, "trucou". Dizia que, se as condições de venda não fossem mais favoráveis a ele, o Banco Central poderia liquidar de vez o Panamericano.

 

Procurada, a assessoria do Grupo Silvio Santos não quis comentar. O BC também não quis se pronunciar.


Em novembro, o Fundo Garantidor de Crédito (FGC) emprestou R$ 2,5 bilhões para cobrir um rombo no banco, descoberto em setembro pelo BC. Em troca, Silvio deu seu patrimônio como garantia. O FGC é uma entidade criada e mantida pelos bancos desde 1995, cujo objetivo é garantir depósitos de correntistas em caso de quebra de algum banco.

 

No dia 9 de novembro, a diretoria do Panamericano foi demitida. Assumiram executivos indicados pela Caixa (que tem 49% do capital votante) e pelo FGC, que identificaram mais inconsistências nos números. Em janeiro, as suspeitas se confirmaram.

 

O buraco não era de R$ 2,5 bilhões. Chegava a R$ 4 bilhões. A única saída para evitar a liquidação do banco era um novo empréstimo. Os principais banqueiros do País aceitaram cobrir o rombo. Mas exigiram a troca do acionista controlador: Silvio.

 

As conversas começaram. O FGC apresentou um esboço de proposta a Silvio, que impôs uma condição: só venderia o banco se saísse sem dívida e com o patrimônio liberado. Os banqueiros não gostaram. Mas avaliaram que a alternativa seria pior. Uma quebra do banco geraria despesa adicional de R$ 2,2 bilhões para o FGC, que teria de cobrir depósitos de clientes. No total, chegaria a R$ 4,7 bilhões.

 

Pouco depois, surgiu o primeiro e único interessado: o BTG Pactual. As condições da venda foram antecipadas ontem pelo Estado: o BTG deu R$ 450 milhões em títulos a Silvio e assumiu o controle do banco. Silvio repassou os papéis ao FGC. O BTG tem até 2028 para pagar a dívida, com 13% ao ano.

 

Se deixar para pagá-la até lá, o valor terá sido de R$ 3,8 bilhões - exatamente o que foi emprestado pelo FGC. Se o BTG quiser pagar hoje, amanhã ou na semana que vem, o FGC terá prejuízo de R$ 3,35 bilhões. E Silvio saiu do negócio sem dívidas.

 

Por que os banqueiros aceitaram as condições? Em primeiro lugar, porque o prejuízo seria maior com a liquidação do banco (R$ 4,7 bilhões). "E porque preferimos pensar na estabilidade do sistema", diz o presidente do FGC, Gabriel Jorge Ferreira.

 


 
Versão para impressão Enviar para um amigo

« voltar
Assinantes
Usuário
Senha
 






 
 
Política de Privacidade   |   Termos de uso
Copyright © 2009 - Administro - O Portal do Administrador de Sucesso. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução, publicação, distribuição, cópia, ou qualquer outra forma de utilização do conteúdo sem autorização por escrito dos editores.